Um mergulhador canadense se reinventou e passou a limpar portos usando suas habilidades na água, um serviço incrível que ele passou a levar para a vida.

    Shawn Bath era mergulhador profissional nas baías e enseadas ao redor de Newfoundland, em Terra Nova e Labrador, no Canadá, por mais de 21 anos, quando fez uma mudança drástica de carreira.

    Seu trabalho original? Colher ouriços-do-mar (Echinoidea) do fundo do oceano, uma carreira que apresenta vários riscos.

    Esses mergulhadores lutam contra águas escuras e turvas, espinhos pontiagudos, mariscos cortantes e todos os perigos usuais que vêm em mergulhos profissionais – incluindo ulcerações pelo frio e doença descompressiva.

    Demorou um pouco para Bath perceber, mas o que havia de mais perigoso nos mares e lagos era o lixo aninhado no fundo.

    “Eu costumava jogar garrafas pela janela do carro. Eu nem pensava nisso. Eu via a bagunça nos portos e pensava, ‘Isso é nojento’, mas eu não somei dois e dois juntos”, disse, “eu era parte do problema”, completou.

    Bath presumiu que uma licitação do governo um dia convocaria mergulhadores para limpar os portos. Durante anos, ele disse a si mesmo que seria parte da solução naquela época.

    Segundo CBC, a ligação nunca veio.

    O próprio Bath encontrou o caminho lá. Agora seu trabalho – que atraiu a atenção da mídia nacional e destacou o estado esquálido do litoral ao redor de Newfoundland – é o foco de Hell or Clean Water, um novo filme que será exibido no Hot Docs, o único festival de Toronto dos locais mais conhecidos do mundo para documentários.

    Mudança de hábito do mergulhador

    O mergulhador disse que seus hábitos começaram a mudar por meio de sua namorada, que ficava chateada quando ele jogasse lixo no chão.

    Em 2018, ele começou a transportar pneus do porto de Bay Roberts só para passar o tempo.

    “Eu tirei 6 toneladas de lixo do oceano sozinho. Percebi então que o governo nunca iria limpar a área”, disse Bath.

    Bath mudou sua carreira e começou uma ONG, a Clean Harbors Initiative. Ele investiu a maior parte de seu dinheiro no empreendimento.

    “Eu estava sem dinheiro e sem saber como continuar fazendo esse trabalho. Precisava de equipamentos. Precisava de voluntários. Precisava espalhar a mensagem e aumentar a conscientização”, disse o experiente mergulhador, completando com um momento histórico na sua jornada “Foi quando eu contatei Cody.”.

    Cody Westman possui e opera uma produtora com sede em St. John’s que cria documentários, comerciais, videoclipes e curtas-metragens.

    Westman disse que Bath estava procurando uma cotação para um vídeo ou comercial que vendesse uma mensagem. Enquanto Bath explicava seu trabalho, o diretor viu algo acontecer.

    “Fiquei surpreso com o que ele estava tentando realizar”, disse Cody. “Eu sabia que daria um ótimo documentário.”.

    Um problema nojento

    Para fazer Hell or Clean Water, que estreia no Hot Docs em 29 de abril, uma equipe acompanhou Bath ao longo de um ano e meio documentando seu trabalho e sua vida, incluindo os esforços de Bath.

    Westman achou o problema dos plásticos oceânicos absurdo.

    “O problema em si é vasto e nojento. O lado bom é que estávamos seguindo alguém que estava tentando fazer algo a respeito.”.

    Bath diz que fica deprimido com a magnitude dos resíduos subaquáticos e quantas pessoas – mesmo quando são motivadas a parar de usar canudos plásticos – não entendem a magnitude de quantos “microplásticos” podem ser retirados do fundo do oceano.

    “Sou teimoso e acredito que se as pessoas virem este documentário, vão entender quanto lixo está no fundo do oceano e como as coisas estão ruins. Os ‘microplásticos’ saindo dos pneus estão apenas causando estragos.”.

    Bath tirou tudo da água, de equipamentos de pesca descartados a motores de barcos. Uma ameaça invisível: velhas garrafas de cerveja.

    “Os portos de Newfoundland são cobertos por garrafas de cerveja grossas. Essa é a coisa mais comum”, afirmou.

    “Eles não causam tanto dano quanto os pneus de borracha, mas ouriços-do-mar e mariscos rastejam dentro deles para desovar e ficam presos. Sei que as pessoas não se importam com moluscos, mas garrafas grossas de cerveja são pequenas armadilhas mortais.”.

    Há também velhas linhas de pesca, armadilhas e artes que foram abandonadas. Bath diz que até 25 milhões de peças de equipamento de pesca são deixadas todos os anos nos oceanos do mundo.

    Menos bagunça

    Após a estreia, Hell or Clean Water estará disponível no Documentary Channel. Bath espera que o filme chame a atenção para o trabalho que a Clean Harbors Initiative continua realizando.

    “Estamos sempre procurando voluntários e constantemente levantando dinheiro. Precisamos de pessoas, de barcos e de equipamentos”, disse o mergulhador.

    Westman espera que o filme faça as pessoas acordarem.

    “Conscientizar é ótimo, mas também precisamos mudar nossos hábitos”, disse ele. “Nós reciclamos apenas 8% do que jogamos fora. Se este filme se tornar uma pequena parte da solução, eu ficaria feliz.”.

    “O porto de Twillingate está muito mais limpo do que antes. Podemos dizer que há uma diferença. Podemos ver o fundo do oceano; há menos bagunça. É uma sensação boa.”, completou feliz.

     

     

     

     

     

     

     

     

    As barbas de Odin fizeram com que as mãos dos tatuadores que fizeram estas tatuagem produzissem trabalhos únicos e diferenciados.Barbas de Odin

    CONTINUAR LENDO…

    Se você ainda tem dúvidas do porquê gostamos de carros, estas 15 imagens vão te lembrar dos motivos com muitos detalhes espetaculares.porque gostamos de carros

    CONTINUAR LENDO…

    Helen Mccrory batalhava há anos contra um câncer e fez sucesso também em filmes como a saga de Harry Potter.

    Helen Mccrory

    Seu marido postou em sua conta do Twitter:

    “Ela morreu como viveu: destemidamente. Por Deus, nós à amamos, e sabemos quão sortudos somos de tê-la em nossas vidas. Ela brilhou tão intensamente. Vá adiante, pequena, em direção ao ar. Obrigado.”, disse Damian Lewis.

     

    Helen atuou de forma brilhante na série Peaky Blinders e provavelmente fará muita falta nas novas temporadas.

    Existem algumas coisas que você não precisa ter, mas que são tão legais que você obviamente adoraria, o problema é que normalmente custam caro.coisas que você

    Talvez isso não seja tão caro, mas deve ter dado trabalho pra fazer.

    CONTINUAR LENDO…

    Quando corremos, por várias vezes sentimos uma dor do lado esquerdo da barriga e esta dor pode ser gerada por inúmeras situações do organismo.

    dor do lado esquerdo

    Ela tem vários nomes em todo o Brasil, em alguns lugares é chamada de “dor desviada”, “dor de facão” e alguns outros nomes diferentes, dependendo da região.

    É comum que ela aconteça do lado esquerdo do corpo e o fato de o baço ser utilizado com mais força durante as corridas pode ser um dos motivos.

    Quando nos exercitamos, precisamos de mais oxigênio, exigindo um uso maior do baço, que produz uma contração nervosa que dá as famosas pontadas. A dor auxilia na introdução de glóbulos vermelhos para transportar mais oxigênio.

    Ele fica localizado atrás do estômago e é um órgão altamente vascularizado que, em situações normais, mantém o equilíbrio na composição e quantidade do sangue circulante no organismo. É o baço que produz linfócitos e destrói as hemácias que esgotaram sua função.

    Existe uma outra hipótese de que a dor seria proveniente de um ligamento que sustenta o fígado e o baço. Durante o exercício físico, ele poderia entrar em fadiga causando a fricção do órgão, gerando a dor.

    Ao respirar errado durante os exercícios estas dores podem acontecer também, pois o ar se acumula no trato digestivo, pressionando nervos que geram a dor.

    Esta dor do lado esquerdo da barriga acontece mais no início da vida de exercícios e vai sumindo com o tempo, portanto, faça exercícios de forma regular que o problema será resolvido.

    Esta é uma live com considerações sobre a compra de bitcoins e outras criptomoedas. Será que ainda vale a pena comprar?