O preço da cerveja vai subir de novo

cerveja cara

Após uma lei que aumenta os impostos sobre bebidas frias entrar em vigor no dia 1º de maio, a majoração no preço da cerveja será inevitável. O novo modelo de cobrança de tributos afeta também refrigerantes, energéticos e isotônicos.

Em média, o valor da bebida será encarecido em 5% para o cliente final, segundo Fernando Rodrigues de Bairros, presidente da ALFEBRAS (Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil).

chorando

Chora não, mano!

Já a carga tributária sobre todo o setor pode ser de até 10%.

Neste modelo novo, a cobrança de PIS/Pasep vai ser de 2,32% e a da Cofins será de 10,68%. O Imposto Sobre Produtos Industrializados (o FAMOSO IPI) será de 6% para cervejas e 4% para as outras bebidas.

Itens mais caros pagarão mais impostos, pois as alíquotas são fixas e vão incidir sobre o preço do produto quando ele sai da fábrica.

Bairros ameniza e acredita que, a longo prazo, a mudança será vantajosa para a indústria de cervejas. “Em um primeiro momento, o novo modelo é penoso para o empresário, mas depois será bom porque a alíquota igual para todo mundo vai trazer equilíbrio para o setor.”

O presidente da CervBrasil (Associação Brasileira da Indústria da Cerveja), Paulo Petroni, também está otimista com as mudanças e afirmou que “É um modelo menos burocrático, que permite planejamento das empresas porque elas vão saber com antecedência quanto vão pagar de impostos”.

Ele afirma ainda que o aumento para o consumidor final dependerá de cada empresa. “Cada empresa vai tomar decisões sobre alteração de preço dentro da sua estratégia, já que quem aumentar o preço vai pagar mais imposto”, disse Petroni.

Enquanto a inflação acumulada no ano de 2014 foi de 6,4%, o preço da cerveja subiu quase 10%. O preço de refrigerantes e água mineral também aumentou bastante no período, subindo 8,8%, embalados pela forte seca que atinge o sudeste.

Via: UOL Economia